CRIANÇA NÃO AMADURECE, CRIANÇA SE DESENVOLVE: IMPLICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Autores

Resumo

Discutem-se neste artigo os aspectos epistemológicos do desenvolvimento infantil e do papel da linguagem tendo em vista a formação docente. Faz parte de uma pesquisa qualitativa concluída (2017-2021), sobre o desenvolvimento infantil e sua relação com a linguagem para a constituição da autoria na criança. Fundamentam teoricamente este estudo autores como Vigotski, Luria, Leontiev, Mukhina, Davídov, Vénguer e Vénguer, Mello. Destaca-se o papel fundamental que a fala e a escrita desempenham para formar as funções psicológicas superiores da criança e o papel do ensino intencional e consciente nesse processo. Conclui-se que o ensino planejado com essa finalidade é condição sine qua non para a criança desenvolver-se plenamente, para isso os professores precisam conhecer o processo de aprendizagem da criança e o desenvolvimento infantil, atuando na perspectiva de uma educação desenvolvente, em que o professor trabalha com aprendizagens significativas para promover o desenvolvimento da criança por meio da apropriação das máximas qualidades humanas, entre elas a linguagem escrita. 

Biografia do Autor

Cíntia Corrêa, UNIUBE e Rede Municipal de Educação de Uberaba

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Mestre em Educação. Especialização em Docência no Ensino Superior. Graduada em Pedagogia. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Infância Contextos Educativos (GEPICE) e do Grupo de Pesquisa Multidisciplinar em Educação. Docente na Universidade de Uberaba e Professora Formadora no Departamento de Formação Profissional da rede municipal de educação de Uberaba-MG.

Ana Maria Esteves Bortolanza, Professora aposentada/pesquisadora autônoma.

Atualmente é professora aposentada, Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Infância e Contextos Educativos (GEPICE),  Pesquisadora do Grupo de Pesquisa "Processos de leitura e de escrita: apropriação e objetivação do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNESP, campus de Marília. É graduada em Letras, com especialização em Língua Portuguesa (Linguística), Literatura Brasileira e Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa. Possui mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Doutorado em Educação - Unesp, campus de Marília, Pós-Doutoramento pela Universidade de Évora. Coordenadora do Grupo Nacional de Estudo BAJARD.

Marisângela Nandi Veronez, SED/ SC Secretaria Estadual de Educação SC. 36ª CRE Braço do Norte.

Doutoranda em Educação na linha de pesquisa : Educação, História e Política, da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Sou Mestre em Educação pela UNISUL, 2020. Tenho especialização, em Coordenação Pedagógica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC, 2013), Pós-Graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional pelo Centro Universitário Barriga Verde (UNIBAVE, 2012), Pós-graduada em Psicopedagogia Processos Interdisciplinares (UNISUL, 2011) e Graduação em Pedagogia Séries Iniciais e Educação Infantil (2004). Participo como pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas Educacionais, História, Alfabetização e Letramento – (GEPPHALE) e atualmente ocupo a função como Assistente Técnico-Pedagógico na 36ª Coordenadoria Regional de Educação de Braço do Norte/SC, no Setor de Ensino.

Downloads

Publicado

20-01-2023

Como Citar

CORRÊA, C.; BORTOLANZA, A. M. E.; VERONEZ, M. N. CRIANÇA NÃO AMADURECE, CRIANÇA SE DESENVOLVE: IMPLICAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Revista Interação Interdisciplinar (ISSN: 2526-9550), [S. l.], v. 1, n. 2, p. 123–141, 2023. Disponível em: https://publicacoes.unifimes.edu.br/index.php/interacao/article/view/2332. Acesso em: 5 fev. 2023.